quinta-feira, 10 de abril de 2014

As crendices de vovó

Quem não teve a memória preenchida por histórias que a vó contava não sabe o que perdeu.
A Dona Ana resgatava de suas origens bragantinas algumas que nos contava, nos passava, ou nos cobrava. São histórias e crendices e lendas e vícios e mandingas e causos que me foram resgatados pela memória quando, outro dia, vi uma postagem no Face. A historinha era mais ou menos assim:
"- Alô muleque! Passa 10 conto que tô com tua mãe aqui e vô matá
- Vixi, mintuiroso que mainha tá aqui do meu lado.
- É, mas tô com a sandália dela e vô imborcar!"
(clima de tensão)...
Eu ri uns dias seguidos lembrando disso.
Pra quem não viveu a infância dos anos 80 ou mesmo antes disso, explico.
Ter a sandália virada era um terror pros mais velhos. Minha vó nos dizia sob forte ameaça: "Se não desvirar a mãe morre!!". Era sério. E poderia ser fatal.
Como naquela época respeitar os mais velhos era praxe, todos obedeciam e a mãe vivia longos anos.
Outra: entrar ou deixar em casa  a sombrinha/ guarda-chuva abertos também era prenúncio de morte da mãe (mau agouro). Tadinha e Deus-o-livre-e-guarde, ninguém jamais ousou duvidar.
Entre os mesmo amaldiçoados e premonitórios estavam: estourar saco plástico ou balão dentro de casa, passar por cima das penas (se passasse, tinha obrigação de "despassar" - outro dia mesmo levei bronca da mamãe, imagina! Uma afronta! "Não é tu que vai morrer mesmo!" Reclamou cheia de mágoa...), pular macaca (amarelinha) na porta de casa e outros que não lembro no momento.
Portanto, se você perdeu essa época maravilhosa e não quer correr riscos, descrevo abaixo alguns que me vêm à memória para facilitar (e prolongar), sua vida.
- Se a garrafa de café estourar, pode contar que morreu alguém próximo (é mau agouro).
- Se a "rasga mortalha" passar sobre seus telhados com seu grito mortal, é só esperar que morrerá alguém próximo.
- Tomar açaí e comer manga: febre na certa!
- Chupar manga com febre: morte na certa. Responsável também por motivos de dúvidas: "Não é possível que fizeste isso fulano, tu não é doido, não comeu manga com febre".
- Comer o coco de dentro do caroço de pupunha: deixa esquecido  (devo ter comido horrores)
- Acordar e abrir logo a janela: te deixa todo torto. Se pisar no chão descalço também.
- Apontar a lua: faz nascer uma verruga feia e enorme na ponta dos dedos.
- Ao arrancar um dente de leite, jogue no telhado, de costas, pra nascer logo outro no lugar.
- Estudar demais: deixa doido (até que concordo um pouco. rsrsrs). Mamãe me tirava da frente dos cadernos logo após algum tempo de estudo pras provas. Dizia: "Tá bom, não é bom estudar demais, fica doido!"
- Não varra a casa no sentido da porta da rua, só do quintal, pois o contrário é só quando morre alguém, pra levar pra fora o espírito do defunto;
- Se você for um covarde de carteirinha, vá a um enterro e repita 03 vezes aos pés do morto: "fulano leve meu medo, fulano leve meu medo, fulano leve meu medo". Pronto, nasce um super-herói.
Claro, sem contar os mais populares:
- Se perder algo, clame por São Longuinho, com a promessa de dar 03 pulinhos e 03 gritinhos após achar o objeto (mas tem que fazer, senão você perde de novo);
- Negar o que quer que seja a uma grávida, faz o neném nascer com a cara do objeto de desejo;
- Aliás, grávidas não podem colocar chaves nos bolsos, sob o risco do neném nascer com alguma marca que ficará eternamente no corpo;
Bom, como comi coco do caroço da pupunha demais, devo ter esquecido uns tantos. Mas ficam estes por aqui pra lhe ajudar e pra ratificar minha infância feliz.

P.S: ninguém na minha família morreu, ficou torto, nasceu cheio de marcas ou criou verrugas. Claro! Somos obedientes e fizemos tudo certinho.

Bjs

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olha Clau...