sexta-feira, 11 de junho de 2010

O Fura Dedo!


Dia desses, eu, minhas amigas Pólis e Rosi (sabe-se lá Deus como iniciou a conversa...), entrávamos em nossas reminiscências. E eis que surge de nossos quintais a figura folclórica do FURA DEDO.
Para quem viveu a feliz infância dos anos 80 recorda dessa pssoa: roupas brancas, maletinha preta na mão (aqueeela dos médicos antigos) e dentro o maior terror da garotada: infinidades de frasquinhos, lâminas e agulhas de ponta triangular. Era o agente de saúde da antiga SUCAM, que ía de casa em casa extraindo o sangue de "pessoas inocentes". Com aquela "terrível" agulha fazia um furo em nossas falanges e espremia nosso sangue para, posteriormente, colocá-lo em suas vertiginosas lâminas.
Salvo algum engano, era para verificar incidências e possibilidades de contrair elefantíase. Não recordo se, à época, havia algum surto. O que havia mesmo era susto, susto, não, pavor!
Pois quando aquela figura fantasmagórica aparecia na janela (naquele tempo, sem grades), nós, crianças, corríamos feito loucos a nos esconder, temendo a "tão dolorida furada". O maior de todos os detalhes é: ele só passava de noite. Até hoje me pergunto o porquê.
Quantas e quantas vezes minha mãe e meus tios não tiveram que retirar o colchão da cama, porque lá estava eu agarrada feito um macaquinho no estrado dela. Era uma verdadeira Odisseia: puxa a menina daqui, cutuca com a vassoura dali, promessas de porrada de lá, gritos, choros.
Ahhhhhhhhhhhhhh! "Manhêêêê, não quero furar meu deeedooo". Tudo em vão. Claro, eu era resgatada e entregue às mãos daquele "carrasco", que passava um algodão com álcool no meu pobre dedinho e...tchan!
Com certeza, a dor não era tão terrível assim. Era manha de criança.
O mais legal era correr pra casa do vizinho para avisar quem seriam os próximos. E a cena se repetia na casa ao lado.
Naquele tempo, o número de crianças era bem maior. Tínhamos nosso mundinho particular, nossas brincadeiras, risos e mais risos noites afora:
- "Boca de forno!"
- "Forno!"
- "Tirando um bolo!"
- "Jacarandá!"
- "Dá!"
- "Aonde eu mandar!"
- "Vô!"
- "Se não for!"
- "Apanha um bolo!"
- "Raimundinho e Raimundinha!"
Mas do "maldito" fura dedo. Ah, nínguém esquece!

2 comentários:

  1. Uma maravilha lembrar disso foi uma otima epoca hoje a boca do forno é outra e o fura dedo é diferente

    ResponderExcluir
  2. Uma maravilha lembrar disso foi uma otima epoca hoje a boca do forno é outra e o fura dedo é diferente

    ResponderExcluir

Olha Clau...